Afinal o que é tipografia? Parte 2

Conforme prometido, estamos de volta! Agora para nos aprofundar um pouco mais em alguns termos básicos para começarmos a entender melhor como a tipografia influencia na percepção de uma marca pelo seu público.

Caso não tenha ideia do que é tipografia, não se preocupe, basta dar uma olhada na primeira parte dessa série aqui, onde explicamos a origem e significado do termo.

Tudo certo? Então vamos, lá! =D

Durante a história da tipografia, houveram diferentes estilos que foram sendo desenvolvidos de acordo com as tecnologias e necessidades de cada época. Eles foram responsáveis por definir os principais estilos tipográficos: Serifadas, Sem Serifas, Cursivas e Brush, Decorativas e Display.

 

Serifadas ou Com Serifa

As serifas são semi-estruturas (aqueles pezinhos) que ficam sempre nas extremidades de uma letra. As tipografias com serifa possuem esses pequenos prolongamentos em suas extremidades. Um exemplo que todos conhecem é a clássica Times News Roman. Dentro desse grupo há sub-grupos, os quais se referem ao enquadramento histórico. Entre eles humanista (Old face), transicional, moderna e slab.

Abaixo, alguns exemplos de marcas que usam tipografias serifadas em seus logotipos.

Interessante notar que muitas delas utilizam as serifas modernas para expressar a confiança, elegância, exclusividade, seriedade e alto valor agregado de seus produtos.

 

Sem Serifa ou Sans-Serif

As fontes Sans-Serif, do francês “sem serifa”, são aquelas que não possuem esses prolongamentos e pequenos traços nas extremidades das letras. Um exemplo que todos conhecem é a Arial. Da mesma forma que nas serifas, as sans também possuem sub-grupos. Eles são: humanistas, grotescas, neu-grotescas e geométricas.

No caso das sans, por transmitirem uma personalidade moderna, objetiva, estável, simples, amigável ou neutra, costumam ser utilizadas em empresas de tecnologias, redes sociais ou marcas com propostas jovens, inovadoras e modernas.

 

Cursivas e Brush

São os estilos que mais se aproximam da escrita humana por transmitirem maior sensação de humanização, tradição, ou nos remetem à algum período histórico específico. Costumam ser mais trabalhadas com adornos e ligaturas, porém nem sempre. Existem também versões mais lúdicas ou que simulem letreiramentos feitos à mão (Vernacular), ou que imitam a nossa própria escrita à mão. Por isso, são tipografias não muito aconselhadas para textos longos. Seus sub-grupos são: caligráfica, Brush, Gótica e manuscrita (escrita à mão comum).

Os estilos cursivos costumam ter usos bem diversos. Abaixo alguns exemplos de marcas que utilizam as cursivas.

Decorativa ou Display

Nessa categoria consideramos os mais diversos tipos de desenhos, inspirações, padrões, características e experimentações, além de sinais tipográficos. Enquanto algumas fontes possuem boa legibilidade, outras possuem quase nenhuma e geralmente funcionam melhor em tamanhos grandes. Elas também podem contem ícones, setas e elementos de sinalização.

Importante notar que existem diversos tipos de classificações tipográficas, como a DIN (Deutsches Institut Für Normung ou Instituto Alemão de Norma), Vox, Robert Bringhurrst, British Standards, Linotype entre outras. Para esse artigo foi utilizada uma versão simplificada e adaptada da classificação feita pela Linotype de 1988, levando em consideração principalmente o enquadramento histórico dos tipos.

Agora que já temos uma boa base sobre as classificações tipográficas, podemos entender melhor o último artigo dessa série introdutória: A Anatomia Tipográfica.

Então já sabe, deixe seus neurônios ligados e nos vemos em breve! =D

 

Saudações Tipográficas,

Julio Claudius
Designer Gráfico e de Tipos

 

Referências:
BRINGHURST, Robert. Elementos do estilo tipográfico. E. Ed. São Paulo: Cosac Naify, 2011. 428 p.
HENESTROSA, Crisobal; MESEGUER, Laura; SCAGLIONE, José. Como criar tipos: do esbço à tela. Brasília: Esteiográfica, 2014. 152.p.
LUPTON, Ellen; STOLARSKI, André. Pensar com tipos: guia para designers, escritores, editores e estudantes. São Paulo: CosacNaify, 2009.
TIPÓGRAFOS. História da Tipografia <http://www.tipografos.net/historia/index.html> / Acessado em: 13 de Agosto de 2018.
Fotos: Capa: (Photo by Fabio Santaniello Bruun on Unsplash)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *